Colunas Udê - Hudson Okada

Bairro da Liberdade

A cada ano que passa, a Liberdade é reconhecida cada vez menos como sendo o bairro japonês de São Paulo. Com a recente imigração de chineses e de coreanos para o Brasil, a Liberdade está passando a se tornar o bairro oriental de São Paulo. (Foto: Luci Judice Yizima)

Sempre interpretei esta famosa frase do escritor russo, Liev Tolstoi, “Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”, da seguinte forma:

Se você quer conhecer bem todas as aldeias do mundo, caro leitor, primeiro conheça bem a sua; neste caso, a pintando em um quadro.

Ou seja: se você conhecer a fundo a aldeia onde mora, você terá parâmetros confiáveis para, quem sabe, conhecer a fundo outras aldeias do mundo – e, quiçá, do universo.

Esse talvez seja um dos motivos que me levaram a estar sempre pintando – como sugeriu o escritor russo – o bairro onde hoje moro, a Liberdade, em São Paulo.

Não há como negar que suas ruas e moradores me inspiraram a escrever várias de minhas crônicas. E, como não poderia ser de outra forma, quase todas são relacionadas à cultura que o marcou durante todo o século passado, a cultura Nikkei.

E nesta crônica aproveitarei para embeber de tinta meu pincel e listar, utilizando-me de cores fortes, o que para mim – depois de mais de oito anos vivendo aqui – mais caracteriza o bairro:

A primeira imagem que me vem à mente – e à de qualquer um que já esteve na Liberdade – são as dos postes vermelhos enfileirados nas ruas que circundam sua praça central. Não há fotógrafo que não os utilize para enquadrar a população que vive e circula por aqui.

Em seguida me vem a famosa Feira da Liberdade: uma das principais atrações turísticas da gigantesca São Paulo.

Tem também as várias lojinhas e restaurantes japoneses que fazem do comércio local um verdadeiro parque de diversões para apreciadores da cultura.

Mas, apesar de todos esses exemplos, o que mais representa o bairro, para mim, é algo que vejo cada vez menos transitando nas ruas da região: os isseis.

Para quem não sabe, os isseis, são os senhores e as senhoras japoneses que, no começo do século passado, vieram do Japão para viverem aqui no Brasil – e/ou em outros países da América.

São essas as pessoas que deram à Liberdade a fama que ela tem – até então –, a de ser a maior comunidade japonesa do mundo fora do Japão.

Sempre que vejo um desses senhores, bem velhinhos, numa feirinha de hortifrúti – local onde mais se encontra isseis por aqui –, carregando sua sacola de pano, puída e listrada, cheia de legumes e verduras, não tenho dúvida, vejo nele o maior ícone do bairro.

E têm também as senhoras isseis, bem velhinhas, puxando um carrinho de feira carregado de frutas e legumes, e com algumas sacolinhas de plástico, também carregadas de frutas e legumes, amarradas na parte externa do carrinho.

Mas, pelo andar da carruagem, essa história está chegando ao fim.

A cada ano que passa, a Liberdade é reconhecida cada vez menos como sendo o bairro japonês de São Paulo. Com a recente imigração de chineses e de coreanos para o Brasil, a Liberdade está passando a se tornar o bairro oriental de São Paulo.

E não só por isso. Na última contagem feita pelo IBGE contabilizou-se mais descendentes de japoneses morando nos bairros Saúde e Vila Mariana – bairros também paulistanos – do que na própria Liberdade.

Assim testemunhamos hoje a Liberdade “japonesa” diminuir cada vez mais. Tanto que é até difícil vermos isseis, nisseis e sanseis (japoneses, filhos e netos de japoneses) trabalhando em lojas e em restaurantes daqui.

Enfim: com o rolar da história, o bairro está se diversificando. Mudando algumas de suas características. Inclusive essa, que o representou durante tantas e tantas décadas.

São coisas que acontecem em nossa aldeia. São coisas que acontecem nas aldeias do mundo inteiro.

Procurando Emprego??

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Procurando Emprego??

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ