Colunas Krônicas

KRÔNICAS: É… REIWA!… e não HEIWA, pô!

Desculpem por minha falta de educação acima, mas é que depois de alertar sobre a possibilidade de não descendentes de japoneses de nossa grande mídia pronunciarem de forma incorreta o nome da nova era imperial japonesa (Reiwa, Nippak 04/04/2019) como ocorreu… e ainda ocorre, com a palavra tsunami (não é ti-su-na-mi, mas tsu-na-mi), acabei de flagrar um… nissei pronunciá-la erradamente, como no exemplo do título.

Até aí tudo bem, porque a maioria dos descendentes, no Brasil, não conhece a leitura correta do romaji (escrita em caracteres romanos da língua japonesa). O problema é que quem flagrei pronunciando errado, além de ser pessoa pública, tem forte vínculo com o Japão! E não foi apenas essa palavra, nesse dia!

Ah! E daí?!”, ainda o defenderiam alguns com a desculpa de um descuido provocado por nossa leitura natural da escrita japonesa via caracteres romanos, no que concordaria, ou melhor, aceitaria… se tivesse partido de um cidadão comum. Até porque já ocorreu comigo, no sentido contrário, no Japão.

Explico, a partir de exemplos banais do nosso dia-a-dia, como nossa pronúncia natural de “tudo” (tudu), “porque” (purque), “sobre” (sôbri), “ligado” (ligadu), etc., e que foram as causas de eu ter passado vexame no Japão onde a pronúncia correta é fundamental.

Certa vez, em conversa com amigos japoneses falei-lhes que… “iria para Hakodati!” Como estranharam, imaginando não terem identificado a cidade, completei: “Em Hokaidu!” Piorou! Foi quando percebi a razão: pronúncias incorretas!

Aliás, já me reclamaram por mesma situação, mas… olha só!, com a alegação de a japonesada não ter percepção por associação. “Ao contrário”, respondi… “têm mais do que nós!”, e a razão é porque a leitura mental japonesa não é por caracteres romanos, mas por hiragana. Ou seja, se minhas pronúncias do parágrafo anterior tivessem sidos, Hakodate e Hokkaido, não teria passado por aquele mico.

E não adianta virem com a desculpa de que, por estarmos no Brasil, devemos adequar essas palavras à nossa fala. Não cola! Senão… passarei a chamar Hitler de Itoler. Aceitam?

Silvio Sano

- Formado em arquitetura pela Univ. Mackenzie (1974), auge: ampliação do estádio Santa Cruz (Recife, 1981); conhece o Japão por quatro óticas (bolsista 1975, lua-de-mel 1980, Univ.Nagoya 1985/887 e decasségui 1989/1992); colunista e chargista desde 1996; escritor, com sete livros publicados (Kontos, Krônicas & Kanções foi o último); compõe versões em português de músicas japonesas (Youtube), mas também de outras línguas (Hallelujah=>HalleLULA, do inglês); cantor nas categorias Pop e Internacional e, palestrante (tema atual = conflitos nikkeis mesmo 110 anos depois);

- Vice-presidente do Conselho Deliberativo da ACA Mie Kenjin do Brasil, Assessor de Comunicação e Imprensa da UPK (União Paulista de Karaokê) e um dos adminiostradores dos sites Nikkeyweb e UPK. 

www.facebook.com/silvio.sano.7
twitter.com/silvio_sano
silvio.sano@yahoo.com

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MASSAGEM ASIÁTICA

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Haru Matsuri

Arena Radical

MASSAGEM ASIÁTICA

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Haru Matsuri

Arena Radical

%d blogueiros gostam disto: