Colunas Krônicas

KRÔNICAS: Não é bem assim… as “coisas do Japão”!

Alunos da escola primária Dyonan da cidade de Okazaki limpando a sala de aula. (Foto : Marcelo Hide/Fotos Públicas)

Sem querer ser chato, e não o sendo… visto que há muito pretendo abordar o assunto sobre desmistificar certos conceitos da relação Japão com o Ocidente, por isso me contive até agora.

Antes, relembro que o Japão fechando as portas ao Ocidente por mais de dois séculos e quando as abriu, com até a revolução industrial já ocorrida, o país de história milenar e seus cidadãos, tiveram de “engolir” milhares de informações de uma só vez!

Como na época da abertura a principal referência era a Inglaterra, pelo também esquema de realeza, até hoje, por exemplo, o Japão mantém “engolidas” as mãos de trânsito e, acredite, até o bullying escolar… rs.

O que me trouxe ao tema foi rever, nas redes sociais, o post sobre crianças japonesas fazerem tarefas de faxina nas escolas pela alegação de aprenderem a valorizar o patrimônio. Alguns até associam os recolhimentos de lixo, por torcedores japoneses, nos estádios na Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil, como consequência disso. Para mim é outra “história”. Sujou… limpou!

No caso das crianças nas escolas, considero o que sempre falei ao meu filho ainda pequeno que…  “papai lavava pratos e passava roupas não porque gostava, mas porque precisávamos dividir nossas tarefas em casa”. Funcionou com ele… e dele ao meu netinho (quase 3 anos) que, depois do banho, leva suas roupas sujas até o cesto ao lado da máquina de lavar.

No Japão 100% alfabetizado, faltam faxineiros! Ou seja, foi uma boa solução por essa alegação, porque alguém tem de fazer a faxina.

Da mesma forma, desmistificando o “japonês não joga sujeira na rua”. Quando um amigo japonês veio me visitar no Brasil, ao jogar seu pacote de cigarro vazio em plena Av. Paulista, adverti-o de que era japonês. Sua resposta: “Aqui, pode!”… e jogou! Culpei o fato de “todo mundo querer cometer um pecadinho”. Aqui, pôde.

Igualmente ao “japonês é respeitoso no trânsito”, de novo… no Japão! A resposta, testemunhei lá, é a mesma de nossos motoristas usarem aplicadamente o cinto de segurança, aqui. Multa! Lá é grande e não há impunidade!

Assim por diante…

Silvio Sano

- Formado em arquitetura pela Univ. Mackenzie (1974), auge: ampliação do estádio Santa Cruz (Recife, 1981); conhece o Japão por quatro óticas (bolsista 1975, lua-de-mel 1980, Univ.Nagoya 1985/887 e decasségui 1989/1992); colunista e chargista desde 1996; escritor, com sete livros publicados (Kontos, Krônicas & Kanções foi o último); compõe versões em português de músicas japonesas (Youtube), mas também de outras línguas (Hallelujah=>HalleLULA, do inglês); cantor nas categorias Pop e Internacional e, palestrante (tema atual = conflitos nikkeis mesmo 110 anos depois);

- Vice-presidente do Conselho Deliberativo da ACA Mie Kenjin do Brasil, Assessor de Comunicação e Imprensa da UPK (União Paulista de Karaokê) e um dos adminiostradores dos sites Nikkeyweb e UPK. 

www.facebook.com/silvio.sano.7
twitter.com/silvio_sano
silvio.sano@yahoo.com

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ