Colunas Krônicas

KRÔNICAS: Não é bem assim… as “coisas do Japão”!

Alunos da escola primária Dyonan da cidade de Okazaki limpando a sala de aula. (Foto : Marcelo Hide/Fotos Públicas)

Sem querer ser chato, e não o sendo… visto que há muito pretendo abordar o assunto sobre desmistificar certos conceitos da relação Japão com o Ocidente, por isso me contive até agora.

Antes, relembro que o Japão fechando as portas ao Ocidente por mais de dois séculos e quando as abriu, com até a revolução industrial já ocorrida, o país de história milenar e seus cidadãos, tiveram de “engolir” milhares de informações de uma só vez!

Como na época da abertura a principal referência era a Inglaterra, pelo também esquema de realeza, até hoje, por exemplo, o Japão mantém “engolidas” as mãos de trânsito e, acredite, até o bullying escolar… rs.

O que me trouxe ao tema foi rever, nas redes sociais, o post sobre crianças japonesas fazerem tarefas de faxina nas escolas pela alegação de aprenderem a valorizar o patrimônio. Alguns até associam os recolhimentos de lixo, por torcedores japoneses, nos estádios na Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil, como consequência disso. Para mim é outra “história”. Sujou… limpou!

No caso das crianças nas escolas, considero o que sempre falei ao meu filho ainda pequeno que…  “papai lavava pratos e passava roupas não porque gostava, mas porque precisávamos dividir nossas tarefas em casa”. Funcionou com ele… e dele ao meu netinho (quase 3 anos) que, depois do banho, leva suas roupas sujas até o cesto ao lado da máquina de lavar.

No Japão 100% alfabetizado, faltam faxineiros! Ou seja, foi uma boa solução por essa alegação, porque alguém tem de fazer a faxina.

Da mesma forma, desmistificando o “japonês não joga sujeira na rua”. Quando um amigo japonês veio me visitar no Brasil, ao jogar seu pacote de cigarro vazio em plena Av. Paulista, adverti-o de que era japonês. Sua resposta: “Aqui, pode!”… e jogou! Culpei o fato de “todo mundo querer cometer um pecadinho”. Aqui, pôde.

Igualmente ao “japonês é respeitoso no trânsito”, de novo… no Japão! A resposta, testemunhei lá, é a mesma de nossos motoristas usarem aplicadamente o cinto de segurança, aqui. Multa! Lá é grande e não há impunidade!

Assim por diante…

Silvio Sano

- Formado em arquitetura pela Univ. Mackenzie (1974), auge: ampliação do estádio Santa Cruz (Recife, 1981); conhece o Japão por quatro óticas (bolsista 1975, lua-de-mel 1980, Univ.Nagoya 1985/887 e decasségui 1989/1992); colunista e chargista desde 1996; escritor, com sete livros publicados (Kontos, Krônicas & Kanções foi o último); compõe versões em português de músicas japonesas (Youtube), mas também de outras línguas (Hallelujah=>HalleLULA, do inglês); cantor nas categorias Pop e Internacional e, palestrante (tema atual = conflitos nikkeis mesmo 110 anos depois);

- Vice-presidente do Conselho Deliberativo da ACA Mie Kenjin do Brasil, Assessor de Comunicação e Imprensa da UPK (União Paulista de Karaokê) e um dos adminiostradores dos sites Nikkeyweb e UPK. 

www.facebook.com/silvio.sano.7
twitter.com/silvio_sano
silvio.sano@yahoo.com

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OPORTUNIDADE PARA 2020

PROCURANDO EMPREGO?

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

OPORTUNIDADE PARA 2020

PROCURANDO EMPREGO?

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ