Colunas Krônicas

KRÔNICAS: Tímido? Eu?!… Não mais!

— “Quem é tímido aqui?”, perguntei, certa vez, no início de uma palestra “Konfrontos & Konflitos nikkeis mais de um século depois”. Adivinhem? (Foto: divulgação)

— “Quem é tímido aqui?”, perguntei, certa vez, no início de uma palestra “Konfrontos & Konflitos nikkeis mais de um século depois”. Adivinhem? De imediato, dois… nikkeis, levantaram firmes, as mãos!

— “Tímidos?”, apontei-lhes aos demais participantes, com sorriso maroto, enquanto todos também riam, sem deboche, espontaneamente. Por isso, ambos, com olhares surpresos, perceberam que, talvez, tivessem se precipitados.

Não foi bem isso, mas foi ótimo para quebrar o gelo e começarmos logo com debate e, claro, tendo-os como protagonistas… rs. Por isso, apenas a esse item o debate “foi longe” a ponto de quase provarmos que timidez é algo inerente no descendente. Lógico que não é algo exclusivo dos nikkeis. Pode até ser mais frequente neles, mas por outras razões… tarefa aos especialistas explicarem. Não eu!

O que não nos impede de debatê-lo e até chegarmos a algumas próprias conclusões.

Por exemplo, a minha é a de que tem também a ver com outra característica, esta sim, inerente no japonês e seus descendentes que é o… MIÊ!, cuja tradução literal ao português é: aparência! E não literal: APARÊNCIA!… rs.

Explico. E o faço a partir de um exemplo clássico do economista americano William Ouchi, em Teoria Z, que cita o caso de uma mãe cujo filho trabalhava no centro da cidade e que, habitualmente, chegava tarde em casa. Mas por uma questão de momento no trabalho, de repente, passou a chegar cedo. Passado algum tempo, ela pede ao filho para voltar a chegar tarde, mesmo “fazendo hora” no centro. A razão era porque os vizinhos já estavam comentando sobre a situação dele no emprego. Isso, é o Miê… não literal!

Por isso, falo por mim, vindo do subconsciente, a timidez nikkei tem também a ver com o não se expor para não fazer feio. Eu era assim… e ainda sou um pouco, creia! É também um dos temas dessas palestras porque, mesmo depois de mais de um século, há ainda uma multidão de nikkeis como eu… rs.

Ou seja, porque já passou da hora de, juntos, derrubarmos esses konfrontos e konflitos ainda em nós. Né, não?!

Silvio Sano

- Formado em arquitetura pela Univ. Mackenzie (1974), auge: ampliação do estádio Santa Cruz (Recife, 1981); conhece o Japão por quatro óticas (bolsista 1975, lua-de-mel 1980, Univ.Nagoya 1985/887 e decasségui 1989/1992); colunista e chargista desde 1996; escritor, com sete livros publicados (Kontos, Krônicas & Kanções foi o último); compõe versões em português de músicas japonesas (Youtube), mas também de outras línguas (Hallelujah=>HalleLULA, do inglês); cantor nas categorias Pop e Internacional e, palestrante (tema atual = conflitos nikkeis mesmo 110 anos depois);

- Vice-presidente do Conselho Deliberativo da ACA Mie Kenjin do Brasil, Assessor de Comunicação e Imprensa da UPK (União Paulista de Karaokê) e um dos adminiostradores dos sites Nikkeyweb e UPK. 

www.facebook.com/silvio.sano.7
twitter.com/silvio_sano
silvio.sano@yahoo.com

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MASSAGEM ASIÁTICA

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Acontece

Associação Hokkaido

MASSAGEM ASIÁTICA

Tradutor Juramentado

Assessoria Contábil

KARATÊ

Acontece

Associação Hokkaido

%d blogueiros gostam disto: